segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Diretor de 'This Is It' diz que cantor estava pronto para triunfar em Londres



Michael Jackson's This Is It não era para ser assim.

"Lamento que tenha que ser um filme", diz Kenny Ortega sobre seu último longa-metragem. "Este não é o jeito que eu queria contar essa história".

Mas a morte traz a finalidade indiscutível, mesmo para um ícone mundial como Jackson. Seja o que for que diga os contratos, independentemente dos desejos dos executivos nervoso controlando os orçamentos, seja qual for o desejo dos fãs leais, todas as aparições ao vivo são canceladas. Apenas as imagens gravadas permanecem.

Do momento em 25 de junho, quando Jackson foi declarado morto em Los Angeles - tornando discutível os preparativos finais para a série de concertos de Londres que Ortega estava dirigindo - este era um filme que Ortega, que deve a Jackson uma boa parte de sua carreira (ele dirigiu concertos de Jackson nos anos 90) e que o amava do fundo do seu coração, não tinha escolha a não ser fazer.

Por um lado, havia pelo menos três fontes de imagens dos ensaios para estes concertos, que começariam em julho.

O primeiro foi de uma equipe de duas câmeras que originalmente era para o registro em arquivo do processo para o uso pessoal de Jackson. "Michael documentou tudo", diz Ortega. "A forma que começamos a construir esse show foi olhando para as suas velhas cenas documentadas." A segunda foi o interativo, filmes 3-D que já tinham sido feitos por Jackson e Ortega, e que estavam destinados a serem exibidos na tela de alta definição maciça prevista para a arena O2. O terceiro foi material filmado por um time separado, que estava filmando em estilo documental - com entrevistas e coisas do gênero - que teria sido um adendo à versão em filme dos concertos de Londres, tivessem eles ido bem.

Aliás, tivessem eles acontecido.

Então, houve a filmagem. Havia, comprovadamente, demanda massissa do público - "This Is It", que estréia nos cinemas na noite de 27 de outubro e está previsto para duas semanas de prazo limitado, provavelmente vai ter a abertura mais lucrativo de qualquer filme na história. Haviam interesses comerciais, nomeadamente o promotor do concerto, AEG Live, à procura de recuperar alguns dos seus custos enormes para os concertos abortados. E havia um desejo do Estate de Jackson para obter um filme desses feitos, beneficiando assim os filhos de Jackson, entre outros. O resultado foi um reportado acordo de $60 milhões entre a propriedade de Jackson, AEG Live e a Sony Pictures, a empresa que faz o filme e a destinatária de toda essa filmagem. A filmagem está sendo vigiada de perto para atiçar o interesse no filme. Apenas breves clipes foram liberados.

Sony queria Ortega na direção criativa.

"Eu não levantei a minha mão para fazer este filme", disse Ortega em um quarto de hotel de Chicago na sexta-feira. "Eu não vim com essa idéia mesmo. A idéia de criar um filme veio do Estate. Eu disse que não. Não, obrigado. Eu não posso. Estou muito emocional. É muito cedo".

Mas rapidamente Ortega chegou à conclusão que o filme ia ser feito com ou sem ele. Afinal, ele não possuía a filmagem ou controle de para onde ela iria. "Esta é a documentação sagrada do último esforço teatral de Michael Jackson", diz Ortega. "Eu estou nisso. E ter que colocar nas mãos de outra pessoa, por mais sensível que seja o cineasta, teria sido irresponsável".

E assim Ortega tomou a decisão de fazer o filme e utilizá-lo como uma ferramenta para prestar homenagem a Jackson e mostrar ao mundo o que os shows teriam sido se tivessem sido cumpridos. "Nós tomamos essas cenas, algumas das quais são melhores que outras, e criamos um mosaico que vai mostrar o que Michael estava tentando realizar."

E o que ele queria? Ortega diz que a lógica de Jackson para os shows foi uma mistura de um desejo de dar algo de volta para seus fãs, para chamar a atenção para as várias causas ambientais e de manutenção da paz que Jackson acarinhava, para voltar ao jogo após uma década de longa ausência, e , acima de tudo, um desejo de mostrar seus filhos amados que seu pai realmente fazia para viver.

Assim, o arco narrativo do filme é uma réplica do que teria sido o arco narrativo do concerto. Canções aparecem na mesma ordem. Ortega diz que Jackson havia ensaiado quase tudo no show. Os clipes disponíveis sugerem que ele ainda estava desempenhando inteiramente como o reconhecível intérprete que compradores de entradas estavam esperando para ver.

"Nós estávamos apenas a um par de números de distância", diz Ortega. "Nós estávamos prontos para a etapa de Michael em "Dirty Diana". Ele já havia feito parte da conceituação do número. Na tarde do dia que ele morreu, ele estava indo para entrar no número. E depois ainda tínhamos de fazer o 'We are the World' e o 'Heal the World'. Tivemos o esqueleto, mas estávamos indo colocar tudo junto em Londres, porque havia coros de crianças envolvidas ". Fora isso, diz Ortega, Jackson tinha tudo ensaiado.

O filme é pouco provável que revele muito sobre a saúde de Jackson, ou o seu estado de espírito, e contenha qualquer coisa para seus detratores. O contrato da Sony com o Estate proíbe especificamente que retratem Jackson em uma luz negativa. Mas acordo ou não acordo, Ortega não tem interesse em qualquer material dessa natureza. "Michael era uma das melhores pessoas que eu já conheci", diz Ortega. "Ele era inocente, mas não ingênuo. E ele tinha sido colocado no inferno. ... Quando Michael Jackson nos convida, você investe em cuidar dele. Fomos os construtores. Ele foi o arquiteto. Estamos tentado fazer um filme que acho que Michael iria desfrutar. "

Perguntei à queima-roupa, se ele estava certo de que Jackson teria triunfado no O2, Ortega fez uma pausa, e então disse que ele era um diretor nervoso e só se tornou verdadeiramente confiante no fim da vida do superstar.

"Ele não ficou nervoso em qualquer ponto. Lembre-se, ele estava fazendo isso, esses épicos, quando ele ainda era um bebê. Ele sabia que a vida tem obstáculos, a vida tem estacas. ... Mas esse último par de noites, ele se dirigiria para uma nova arte. Ele nos fez todos acreditar. "

fonte: http://www.chicagotribune.com/entertainment/chi-tc-bonus-michael-jackson-1019-10oct19,0,7135420.column

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Arquivo do blog